As dietas mais recomendadas pelo FDA, dos Estados Unidos

doutBem, para quem não sabe (e ninguém é obrigado a saber!), FDA é a sigla para Food And Drug Administration, uma espécie de ANVISA dos Estados Unidos, que revelou a lista das dietas mais recomendadas. E como tem um milhão de dietas por aí e mais outro milhão de mulheres que querem voltar à forma após o parto, vale ficar de olho nesta lista. Abaixo, o  endocrinologista Pedro Assed,  membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), e pesquisador do Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares da PUC-Rio, explica em que se baseia cada uma e diz quais podem ser seguidas ainda no período da amamentação. Veja só:

DASH

Por dentro da dieta: Feita para quem tem hipertensão, o foco é evitar os alimentos ricos em sódio, como o sal, os enlatados e os embutidos. E até mesmo quem não está tratando hipertensão pode segui-la sem problemas. Incentiva também o consumo de frutas frescas, verduras, legumes, laticínios magros, vitaminas, minerais e fibras. A ideia é que comendo esses alimentos saudáveis, o consumo de alimentos refinados e ricos em açúcar e gordura diminua.

Benefícios: Não exclui nenhum grupo alimentar, ajuda a diminui a tensão pré-menstrual (TPM), que é causada pelo inchaço dos neurônios, e a retenção de líquido, além de ajudar na eliminação de líquido do organismo. Daí a indicação de ser feita em qualquer fase da vida, inclusive durante a amamentação, já que o foco é a qualidade de vida e alimentação mais saudável.

 

TLC

Por dentro da dieta: Em português a sigla significa “Mudança Terapêutica do Estilo de Vida” e não foca em perda de peso, mas na qualidade do exame de sangue. Semelhante à dieta DASH, ela também prioriza o consumo de grãos, frutas, legumes, laticínios e carnes magras.

Benefícios: Mesmo para quem não tem problemas de colesterol, ajuda na prevenção de doenças a longo prazo. Boa para quem tem histórico familiar, como pai ou mãe com doença do coração, tendo função preventiva. Pode ser adotada como estilo de vida e para quem ainda está amamentando, já que não se exclui nutrientes saudáveis do cardápio.

 

DIETA CLÍNICA MAYO

Por dentro da dieta: O foco aqui é o emagrecimento, sendo que deve-se seguir uma cartilha bem chatinha em que para perder peso a pessoa quase tem que decorar uma tabela nutricional. É uma dieta com pouca quantidade de carboidratos e rica em proteínas, o que obriga o organismo a usar as reservas de açúcar, além de auxiliar na eliminação de líquidos.

Benefícios: Apesar de não ter restrição, podendo ser adotada por qualquer pessoa, não pode ser feita nos seis meses após o parto ou enquanto a mãe estiver amamentando. E assim que se chega ao peso desejado, deve-se parar com a dieta.

 

DIETA MEDITERRÂNEA

Por dentro da dieta: Velha conhecida de muita gente, ela é rica em alimentos de origem vegetal e em grande quantidade. Vale frutas, legumes, cereais, hortaliças, pães, sementes, iogurte e queijo. O peixe entra no cardápio quatro vezes por semana, deixando a carne vermelha ou de frango para serem consumidas apenas de vez em quando. O vinho també é bem-vindo no acompanhamento das refeições, limitando-se a uma taça. Já as gorduras ingeridas ficam por conta do azeite de oliva e das nozes, e representa cerca de 40% das calorias diárias.

Benefícios: Pode ser adotada como estilo de vida, pois é uma dieta amiga do coração. O objetivo dela é a longevidade e a prevenção de doenças crônicas, além de ajudar a manter o peso. Também pode ser adotado por quem ainda esta amamentando. “Somente as dietas restritivas devem ser evitadas para não causar carência de vitaminas e minerais, importantes tanto para a mãe quanto para o bebê na fase de amamentação”, salienta o médico.

 

DIETA DOS PONTOS

Por dentro da dieta: Este programa conhecido mundialmente funciona com um esquema de pontuação para cada grupo de alimentos, voltada para perda de peso.

Benefícios: Provou proporcionar uma perda de peso sustentável, já que come-se de tudo, porém dentro da quantidade de pontos liberada, sendo que assim que a pessoa atinge seu objetivo, ganha mais liberdade para comer, fazendo apenas o acompanhamento para  manter o peso conquistado.

 

Sendo assim, as dietas DASH, Mediterrânea e TLC podem ser adortadas após o parto e, de acordo com a experiência existe do endocrinologista Pedro Assed, é possível reduzir entre  0,5 kg  a 1 kg  por semana , totalizando no final do mês uma perda que pode variar de 2 kg  a 4 kg. Converse com o seu médico sobre essas dietas e, se ele a autorizar (já que cada caso tem suas regras e exceções) invista agora mesmo num desses programas de perda de peso! Boa sorte!

Posts relacionados