4 livros inspiradores que li na gravidez

livros gravida

Eu sempre fui daquelas que procura nos livros as respostas para grande parte das minhas dúvidas. Então, quando fiquei grávida, não podia ser diferente. É verdade que não foram muitos os livros que eu li nessa fase (e até hoje, minha filha já com 3 anos, eu ainda luto bastante pra conseguir encaixar um livro na minha rotina!). Mas foram inspiradores. Dá uma olhada!

A Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra, de Laura Gutman (ed. Best Seller)

Uma noite, eu nem sei como, fui parar no blog de uma doula que transcreveu um trecho desse livro. Nele, a autora falava sobre depressão pós-parto de um jeito que eu nunca tinha imaginado. Ela analisava a relação mãe-bebê, e a “sombra” interna que aflora em todas as mulheres quando se tornam mães. Ela falava não só de hormônios, corpo e razão, mas de sentimentos, medos e alma. No dia seguinte, lá estava eu, a postos na livraria, procurando o tal livro. E me surpreendi da primeira à última página. Ela não fala apenas de depressão pós-parto – na verdade, esse é apenas um pequeno trecho. Laura Gutman aborda a relação mulher-marido, mulher-bebê, amamentação, parto normal, doenças das crianças, desfralde, mães que trabalham e muito mais. Sempre sob uma ótica holística e bastante surpreendente. Foi meu livro definitivo durante a gravidez e puerpério, e até hoje ainda leio.

Soluções para Noites Sem Choro, de Elizabeth Pantley (ed. M. Books)

Minha filha nunca foi difícil para dormir por longos períodos à noite. Mas ela demorava horrores pra pegar no sono e era um drama para fazê-la tirar sonecas durante o dia. Esse livro me mostrou a importância da rotina e ensinou muita coisa sobre o sono dos bebês. Ele tem planilhas e depoimentos que foram muito úteis naquela fase. E, ao contrário de outros, não apresenta nenhum método que inclua deixar o bebê chorando no berço até dormir ou outras formas pouco amorosas (na minha opinião) de cuidar do sono dos nossos filhos.

Mamãe, Eu Quero, de Sonia Hirsch (ed. Corre Cotia)

Comprei na época da introdução alimentar da minha filha. Gosto muito da autora e este livro, voltado para crianças, abre o nosso olho de várias formas. Ele fala sobre vitaminas, vacinação, a duplinha sal e açúcar, o que faz bem, o que não faz. Algumas das dicas achei pouco práticas, como cozinhar um leite de grãos integrais, que eu achei o máximo na teoria, mas na prática nunca consegui fazer. Ainda assim, o livro é referência pra mim até hoje, embora a alimentação da minha filha esteja bem longe de ser o que sonhei. Mas isso é assunto pra outro dia!

Mulheres que Correm com os Lobos, de Clarissa Pinkola Estés (Rocco)

Esse livro não é exatamente sobre maternidade, embora aborde o tema em alguns trechos. Por meio de histórias típicas, lendas e mitos, a autora destrincha arquétipos da alma feminina. E, por meio deles, questiona o que nos levou a viver como vivemos hoje: em um eterno acúmulo de funções, tentando agradar a gregos e troianos, muitas vezes nos sentindo frágeis, com medo, bloqueadas, isoladas. E vai além, ao propor reflexões que levam a um conhecimento maior daquilo que se passa na nossa alma. Impossível não se identificar com um ou vários dos arquétipos que ela mostra. É um livro denso, que me fez pensar, e muito bem-vindo numa fase da vida tão feminina quanto a gravidez.

Posts relacionados