Tive minha filha aos 46 anos, após um único “descuido” com o contraceptivo

Pra ser sincera ser mãe nunca esteve nos meus planos. Isso porque me realizava como mãe de 3 cães, então sempre me cuidei para não engravidar. No entanto, em janeiro de 2015, aos 45 anos, estava concluindo o mestrado e no corre-corre de fim de experimento, escrita de dissertação e associação com a carga de trabalho na clínica, me descuidei, e bastou este único “descuido” para ser abençoada por Deus com o meu presentinho. Um filho é sempre uma bênção, seja ele programado ou não.

Um sonho realizado (para meu marido!)
Claro que para mim foi um grande susto, fiquei chocada com o resultado do teste de farmácia e corri para o laboratório na mesma hora, ao sair o resultado chorei muito. Era uma sexta-feira pré-Carnaval e enquanto eu me acaba de chorar meu marido não se continha de tanta felicidade, afinal, ele sempre quis um filho. Começamos o relacionamento há 13 anos e ele sempre respeitou a minha opção de não ser mãe, porém nunca escondeu o desejo de ser pai.

Cuidados com a saúde e a preocupação com possíveis problemas na gravidez
Nossa preocupação se voltava agora com relação à saúde do bebê, já que os riscos para algumas síndromes e doenças aumentam após os 40 anos. E éramos conscientes disso, seguimos fazendo todos os exames e em cada um era uma sensação de alívio por saber que a nossa bebê seguia se desenvolvendo bem e saudável, a gestação transcorreu sem grandes problemas (tirando um sangramento na 11ª semana que me deixou de cama durante 15 dias). Engordei pouco, apenas 9 quilos na gestação toda, defendi meu mestrado e trabalhei até 3 dias antes da cesárea (opção minha desde o início)!

O nascimento da princesa Letícia
Dia 02 de outubro de 2015, eu já estava com 46 anos, nasceu minha linda Letícia, meu anjinho, razão total da minha vida. Aí entra aquela máxima “minha vida virou do avesso, foi quando descobri que o avesso era meu lado certo”.
Claro que muita coisa mudou, reduzi minha carga de trabalho para ficar mais tempo com ela e acompanhar seu desenvolvimento. E o que perdi financeiramente ganho todos os dias vendo suas descobertas de perto. Hoje, faço doutorado na UFRPE, e continuo trabalhando com clínica médica de pequenos animais.

 

Depoimento de Jacilene Lourenço, 47 anos, de Recife. É mãe, economista e médica veterinária. – Imagens: Arquivo Pessoal

  • G+
  • Facebook Comentários (2)

    2 Comentários

    1. Anamelia -

      Essa minha amiga é uma guerreira. Nunca imaginei ela sendo mãe de uma menina, mas Deus é perfeito e guia nossos caminhos. Só a vejo cuidando e babando essa filhota.

    2. Paula Santos -

      Jaci, foi uma surpresa linda mesmo. Ficamos todos muito felizes. Uma bênção de Deus. Gostei do avesso ser o lado certo. Beijos.

    Comente!

Posts relacionados